PESQUISA MAPEIA PERFIL DOS EMPREENDEDORES DAS MAIORES FAVELAS DO BRASIL


Foto: Reprodução


Dados do Outdoor Social Inteligência apontam que 42,9% dos empreendedores de favelas precisam de créditos ou outros investimentos para a expansão dos negócios. A pesquisa entrevistou 447 moradores das 15 maiores favelas do País em potencial de consumo e vai ser lançada oficialmente no Dia do Trabalho, em 1º de maio.


Conforme o estudo, as favelas são marcadas pela informalidade. Um total de 84% dos empreendedores não possui Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). “A primeira provocação é para as entidades que regularizam essa pessoa. Por que esse empreendedor não vê vantagem em se regularizar? É preciso trazer facilidades que alavanquem esse registro”, avalia Emilia Rabello, CEO do Outdoor Social.


A CEO explica que um dos objetivos da pesquisa é mostrar para as marcas as potencialidades dessas regiões. Juntos, os 15 lugares estudados possuem quase R$ 10 bilhões de potencial de consumo por ano.


“Para além do assistencialismo, que também é necessário, existem oportunidades de mercado. As marcas precisam enxergar esses cidadãos brasileiros e fazer essa transformação através da economia”, ressalta.

Serviços gerais (20,1%), alimentos e bebidas (16,9%), salão de beleza (12,6%), comércio (9,5%) e moda e acessórios (9,3%) são os principais ramos encontrados nas periferias. Outro ponto levantado pelo Outdoor Social foi a forma como os proprietários desses negócios compram os insumos. Em torno de 37% deles preferem o atacado/atacarejo e somente 10,6% compram diretamente da indústria.


“A pessoa que está vendendo nesses territórios compra do atacarejo, ou seja, ele já está comprando com a margem de lucro do supermercado. Quais são os desafios da indústria para falar diretamente com esse comerciante e dar a ele condições de preço e fluxo de caixa que o apoiem e que o façam crescer?”, questiona Emilia.

Outros dados


Participaram do estudo moradores de comunidades localizadas em Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Recife, Fortaleza, São Luís e Belém. A margem de erro é de 5%.


O faturamento mensal da maior parte dos empreendedores (91,8%) é de até R$ 5 mil mensais. Entre os entrevistados, 51% usam máquinas de cartão. Mercado Pago, PagSeguro e Moderninha são as principais formas usadas para receber pagamentos dos clientes. Além disso, o estudo mostrou que 58% não ainda não vendem pela internet.


Emilia Rabello ressalta que esses bairros são resultados da falta de planejamento e desenvolvimento urbano.


“O que fazemos com essa pesquisa é desconstruir a palavra favelado, porque a favela não é só lugar de carência, ou seja, não é só o lugar da necessidade de assistencialismo e nem das páginas policiais. Então, trazemos esses dados para revelar essa potência e para falar que existe comércio”, finaliza.

Fonte: https://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2022/04/14/pesquisa-mapeia-perfil-dos-empreendedores-das-maiores-favelas-do-brasil.html

1 visualização0 comentário