DOCUMENTÁRIO RETRATA CENA GAY DOS ANOS 80 E 90 NA RUA CARLOS GOMES


Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal/Lion

Nos anos de 1980 e 1990, a cena GLS (Gays, Lésbicas e Simpatizantes), termo ainda pouco politizado utilizado à época, se concentrava em uma região específica no centro de Salvador: a Rua Carlos Gomes - a CG -, como era conhecida pela comunidade LGBTQIA+. Muitos bares e casas noturnas contribuíram com a história do local, entre eles: o Bar Charles Chaplin, Beco da Baiúca, Adê Alô, Boate Is'Kiss, ncora do Marujo, Artes & Manhas, Boate BRW, Boate Caverna, Bar Cabaré 54, Bar Caras e Bocas, Freedom Music & Bar, Bar Champagne (Bar da Ray) e Bar Pérola Negra.


O charme do local, repleto de ruas transversais, becos e vielas que ficavam lotadas, era completado pelo clima de agitação, confusões e flertes. Afinal, a CG era a passarela onde todos da cena LGBTQIA+ queriam desfilar entre as mesas dos bares para serem notados. Os vãos que costuravam a região funcionavam como um “esquenta” para os estabelecimentos noturnos.

De todos esses empreendimentos dos tempos áureos, apenas o Bar ncora do Marujo sobrevive ainda hoje, no auge dos seus 22 anos de história. Seu último parceiro dos velhos tempos, o Bar da Ray fechou as portas em agosto de 2021 devido à falta de investimentos em infraestrutura e segurança. O que permanece, no entanto, é um grande saudosismo por parte do público. E esse sentimento é objeto sobre o qual o documentário pretende retratar como forma de homenagear um local icônico para a história do movimento LGBTQIA+ na Bahia.


Em pleno 2022, a cena LGBTQIA+ na Carlos Gomes insiste em se manter graças à força do resistente ncora do Marujo. Recentemente, ela ganhou um fôlego a mais com a abertura do Carmén Lounge Bar. Os dois estabelecimentos se ocupam em manter vivas as lembranças e escrever uma nova história com respeito ao passado, o que é fundamental para que as novas gerações entendam a importância que teve a Carlos Gomes para a realidade que se vive hoje.


É com essa missão que o documentário “Rua Carlos Gomes: Apogeu e resistência da comunidade LGBTQIA+", idealizado pelo maquiador e drag, Galdino Neto, com consultoria e pesquisa do ativista Genilson Coutinho, promete reunir notáveis histórias da região.


“A vida e a magia dos anos 1980 e 1990 não voltarão, mas não podemos deixar que a nossa história seja esquecida, pois a vida cultural da população LGBTQIA+ também movimentava a economia desta via. A prova de que nós mantínhamos a chama de estabelecimentos não gays é o fato de eles terem sumido junto com a nossa história. Muitos desses estabelecimentos sobreviviam com o pink money”, explica Dino Neto.

“Nas minhas primeiras andanças pela Carlos Gomes, eu sempre me senti atraído pela magia e ferveção desse lugar, principalmente por podermos ser quem éramos de forma livre de olhares censuradores em anos tão difíceis para aqueles que se assumiram gay”, pontua Genilson Coutinho sobre sua relação com a Carlos Gomes.

Entre os nomes que foram entrevistados para o projeto estão: André Luiz Silva (Bagageryer Spilberg), Dion Santiago, Fabiane Galvão, Sérgio Augusto Duarte Tavares (Lion Schneider), Valécio Santos (Valerie O'rarah), Antônio Fernando ( ncora do Marujo), Livia Ferreira (UNALGBT da Bahia), Antônio Jorge (Boate Is'Kiss) e Genilson Coutinho. Cada um compartilhará relatos de vivências e experiências.


Com duração de 1 hora, o documentário será exibido no dia 3 de março no perfil do Instagram e no YouTube do site Dois Terços, veículo de notícias LGBTQIA+ de Salvador que há 13 anos tem sido uma voz importante da comunidade.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura (Prêmio Cultura na Palma da Mão/PABB) via Lei Aldir Blanc, redirecionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.



1 visualização0 comentário