top of page
site-sma.png

SULIVÃ BISPO E SUA PERSONAGEM KOANZA ENCERRAM MAIS UM ANO DO DOMINGO NO TCA




Dezembro está chegando e, com ele, a última edição de 2022 do Domingo no TCA, encerrando o 16º ano de história deste projeto que abre as portas da Sala Principal do Teatro Castro Alves para grandes espetáculos e variados públicos ao preço de R$ 1 (inteira) e R$ 0,50 (meia).


Quem sobe ao palco neste momento é o ator Sulivã Bispo, na peça “Koanza: do Senegal ao Curuzu”, dirigida por Thiago Romero e que, nesta edição especial, receberá participações de Ilê Aiyê, AfroBapho e Nildinha Fonseca.

A sessão será no dia 04, às 11h, e os ingressos são vendidos apenas no dia do evento, no local, a partir das 9h, com acesso imediato à plateia do teatro.


Sucesso de público nas temporadas que fez no Teatro Sesi Rio Vermelho e na Sala do Coro do TCA, com ingressos esgotados, o espetáculo é protagonizado pela personagem Koanza, uma senhora riquíssima nascida no Senegal.


Bem-sucedida no comércio de joias e tecidos senegaleses para a diáspora negra, makota (cargo feminino de grande valor no Candomblé), sofisticada e moradora do Corredor da Vitória, em Salvador, ela é uma mulher de saberes ancestrais, chique e consciente do mundo desigual em que vivemos, comprometida com um papel ativo na reafricanização e nas lutas antirracistas, que ela refina com empenho, elegância e humor.


“Koanza denuncia o racismo que sofro cotidianamente e tem uma força que eu não sei se tenho”, descreve Sulivã.


“Ela trata as questões de uma forma muito didática e poética, e às vezes fala umas coisas difíceis que eu não sei o que ela está falando... E aí eu fico brincando se ela seria uma entidade ou o meu alter ego, mas a realidade é que eu admiro muito Koanza: ela é uma referência, como tantas mulheres que me cercam, me moldam e me ensinam muito”, completa o artista.

Para o diretor Thiago Romero, Koanza é mais um passo que Sulivã Bispo dá no sentido de trazer à cena narrativas que pautam sua vida.


“Acredito que Koanza aprofunda minha parceria com Sulivã no sentido da construção de solos a partir de personagens que trazem como debate o racismo religioso e tantas intolerâncias. Seguimos procurando formas poéticas e de utilização do humor como ferramentas potentes para o encontro com o espectador", comenta ele.

Em “Koanza: do Senegal ao Curuzu”, a personagem volta à Bahia, após um tempo morando na África, com a missão de combater o crescente domínio do cristianismo dos discursos que se voltam contra os cultos de matriz afro-brasileira.


Ao chegar, ela encontra o Brasil imerso em um turbulento processo político e racial, tendo à frente um presidente evangélico. É quando ela se vê desafiada a salvar o Curuzu das mãos da opressão religiosa e política, e encontra muitas dificuldades para tal missão. Diante dessa encruzilhada, surge um espetáculo cômico.


Completam a ficha técnica Nildinha Fonseca (direção de movimento/coreografia), Filipe Mimoso (direção musical), Renato Carneiro (figurino), Guilherme Hunder (cenário), Alisson de Sá (iluminação), Beberes (maquiagem), Larissa Libório (direção de produção), Bergson Nunes e Sidnaldo Lopes (assistência de produção) e Carolina Magalhães (design/arte).





DOMINGO NO TCA – O Domingo no TCA é uma iniciativa do Teatro Castro Alves, Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) e Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA), que se compromete em ampliar e diversificar o seu público frequentador, oferecendo-lhe acesso a espetáculos qualificados, das mais diversas linguagens artísticas. Desde 2007, com mais de 150 edições e cerca de 200 mil espectadores, o projeto engloba apresentações de música, teatro, dança, circo, cinema, de variados estilos e proposições estéticas, da Bahia, do Brasil e do mundo.



DOMINGO NO TCA


“Koanza: do Senegal ao Curuzu”


Onde: Sala Principal do Teatro Castro Alves

Quando: 04 de dezembro de 2022 (domingo), 11h

Quanto: R$ 1,00 (inteira) e R$ 0,50 (meia)


Vendas somente no dia, a partir de 9h, com pagamento apenas em dinheiro e acesso imediato do público


Classificação indicativa: Livre

Comments


bottom of page