MIRLA, A BAIANA QUE CANTA E ENCANTA BARCELONA, LANÇA SEU PRIMEIRO DISCO


Foto: Divulgação

Mirla Riomar, cantora e compositora soteropolitana, que mora há seis anos em Barcelona (Espanha), viu surgir de sua ancestralidade a necessidade de contar sua história e de mostrar as consequências da colonização do Brasil – desconhecida ainda hoje em seu local de residência, a capital da Catalunha – no seu novo álbum, Afrobrasileira. Ele será lançado no dia 22 de fevereiro de 2022 em todas as plataformas digitais. O disco, soprado por seus saberes ancestrais, traz as raízes culturais brasileiras e sua descendência africana e indígena, assim como seus sonhos de menina, o empoderamento feminino e ativismo negro.


O título do disco já mostra a que veio: representar e transmitir a cultura afrobrasileira pelo mundo, levando a fusão das raízes rítmicas baianas com pinceladas de jazz, soul e efeitos eletrônicos.


“Afrobrasileira sou eu, é minha história. É um grito de identidade que dá nome a um sonho, meu primeiro disco. Através dele trago a história de meus ancestrais, as raízes culturais de minha terra e as consequências da colonização no Brasil. Afrobrasileira é a essência do meu povo que, através da música, conseguiu transformar toda dor em alegria e poder artístico”, conta Mirla.

O álbum, produzido pelos músicos Alan Sousa e Marcel Vallès conta com participações especiais de artistas da cena da música baiana e brasileira, assim como de diferentes paises como o saudoso maestro Letieres Leite (Salvador), Ivan Sacerdote (Salvador), Gabriel Grossi (Brasíla), Jurandir Santana (Salvador), Childo Tomas (Moçambique), Matias Traut (Argentina), Rocco Papia (Itália), entre outros, ao longo de suas nove faixas. A participação de Letieres nesse álbum foi um grande presente, como conta Mirla:


“Ele é uma grande referência da música afrobrasileira no Brasil e no mundo. Um ser de luz, que infelizmente nos deixou faz pouco tempo, deixando um legado enorme na nossa cultura e um vazio muito grande nos nossos corações. A música que ele gravou foi a música do meu orixá, se chama Iworò, que traz como base, ritmos sagrados do candomblé e das religiões de matriz africana, como Vassi e Hamunha”.

NOVE CANÇÕES, NOVE HISTÓRIAS


Autorretrato

As músicas do disco, todas compostas por Mirla em diferentes momentos de sua vida, como sua primeira composição, Zauê, foi feita quando ela tinha 13 anos e vivia no Bairro da Paz, em Salvador, e participava de um projeto social onde teve seu primeiro contato com a música.


A canção, feita em parceria com Sidney Argôlo, fala dos sonhos de uma menina e sua esperança em um futuro melhor. Outra composição relacionada à personalidade de Mirla é Água Reboliçada, que mostra a origem do seu nome ‘Riomar’, já que ela é filha do lugar onde se juntam o rio e o mar e assim nascem seus movimentos, sua forma de ser.

Mulheres e ativismo negro

Nas canções se destacam também duas temáticas: o empoderamento feminino e o ativismo negro. Em Canto do mar, é trazida a festa de Yemanjá, suas celebrações na praia e oferendas. Nela é reivindicado o papel da mulher negra e é mostrado como o mar é um elemento vital para sua cidade natal, Salvador.


Na música Mulheres da mina terra, Salvador e as mulheres que foram escravizadas dão o tom da canção, mostrando que, para sobreviver, essas mulheres trabalhavam lavando roupa, vendendo comidas pelas ruas ou em duras atividades da agricultura. Ela recorda nessa canção, sua avó, que foi uma dessas mulheres e é também uma homenagem às Ganhadeiras de Itapuã.

Outra protagonista feminina é Maria do Cais, uma jovem que vivia nos anos 1950 em um porto, lutando para sobreviver em cabarés e espaços noturnos. Vítima de abusos do padrasto, ainda criança foge de casa e cresce no cais, onde acaba se apaixonando por um marinheiro.


A desigualdade social e a violência de gênero são mostradas em Sem eira nem beira, onde uma mulher, vítima de maus tratos pelo marido, decide ir embora de casa sem nada, apenas com a esperança de conseguir sua liberdade e uma vida sem abusos. Apesar das violências sofridas, a necessidade da força e valentia que essas mulheres precisam ter para seguir adiante está presente nesta canção.

Orixás e ancestralidade

Apesar de que a homenagem a suas raízes, espiritualidade e ancestralidade atravessarem todas as canções do disco, é em Pena Branca e Grande Orixá que Mirla Riomar fala de uma forma mais íntima sobre esses temas. Na primeira, ela traz os caboclos, ancestralidade indígena de sua terra. Grande Orixá é uma das canções mais importantes do álbum, porque além da espiritualidade e homenagem a Oxalá, trata da trajetória de Mirla à Europa e de como orixás e sua religião foram a base e apoio que a prepararam e acompanharam nessa viagem. Agora tudo isso está presente em Afrobrasileira.


Mini-bio de Mirla Riomar:

Mirla recebeu o nome de um pássaro. Talvez a mãe intuísse que o canto seria sua paixão. Nascida no bairro da Paz, em Salvador, Bahia, Brasil, agora ressoa seu canto na Europa. Estabelecida em Barcelona desde 2018, em fevereiro de 2022 lança seu primeiro disco, Afrobrasileira.


Ao participar de projetos sociais, Mirla se destacou e aos 12 anos foi convidada para cantar em cima do trio elétrico do bairro da Paz durante o carnaval e assim descobriu o amor pela música.


Em Barcelona, ela atuou com o grupo Ganzá, acompanhada do catalão Marcel Vallés (guitarra) e do baiano Jonas Santana (percussão), e agora desenvolve sua carreira solo por lá. Mirla já participou de apresentações em diversos espaços e festivais de jazz, como o Festival Tensamba, Festival de Jazz de Tortosa, Festival de Pedralbes, Teatro Nacional de Catalunya, Caixaforum, Sala Montjuïc, Jamboree Jazz, entre outros, e em eventos de grande porte da cidade, como o Dia do Brasil, no Poble Espanyol, onde teve a oportunidade de abrir o show de Margareth Menezes.

SERVIÇO:

O quê: Mirla Riomar lança álbum Afrobrasileira

Onde: Plataformas Digitais de Mirla Riomar

Quando: 22 de fevereiro

Redes Sociais de Mirla:

Instagram: @mirlariomar |

https://www.youtube.com/channel/UCtt9ivQQmfy-Hv0sPLDLrxA


Fonte: https://www.aldeianago.com.br/noticias2/30241-mirla-a-baiana-que-canta-e-encanta-barcelona-lanca-seu-primeiro-disco-afrobrasileira-que-tem-participacao-do-maestro-letieres-leite

2 visualizações0 comentário